Com a ascensão do marketing digital e a presença das marcas na internet, novas formas de promover serviços ou produtos tiveram que surgir.

 

O que é Marketing de Influência?

Já faz um tempo que a “velha publicidade” está perdendo a credibilidade, e isso faz com que marcas e agências revejam suas estratégias e as formas de configurar a divulgação de produtos, ou até mostrarem qual é a alma da empresa.

O Marketing de Influência, ou Influence Marketing, é uma abordagem de marketing muito atual, que visa divulgar marcas e/ou produtos de forma mais assertiva, para exercer influência ou liderança sobre potenciais compradores através da escolha de influencers (pessoas que são influenciadoras de nichos na internet).

É uma realidade cada vez mais constante, pois o que sempre funcionou em termos de propaganda é o velho e tradicional boca a boca.

Quantas vezes nós buscamos nas redes sociais pessoas indicando prestações de serviços ou marcas, pois sabemos que se a experiência mostrada foi boa, a nossa também tem chances de ser.

O comportamento do consumidor mudou e, por isso, as estratégias também estão mudando. Aquela forma de invadir as mídias para divulgar produtos não funciona mais como antigamente. As pessoas estão mais críticas, mais exigentes e não acreditam mais nos discursos das empresas, e sim em pessoas comuns falando das suas experiências.

Uma nova forma de fazer marketing está se fazendo cada vez mais necessária, e usar influenciadores para divulgar produtos gera mais que o dobro de vendas em comparação com a tradicional propaganda. Além disso, aumenta a taxa de retenção e conversão por aumentar o engajamento e a identificação do público com o produto.

O Marketing de Influência vai além dos limites da publicidade comum. O influencer consegue a proeza de atuar muito mais diretamente com o público nichado, que tem afinidades por enxergar o influencer como uma pessoa comum. De forma orgânica e não plastificada, as marcas conseguem engajamento por conta deste espelhamento “consumidor x influencer”, e isso pode valer muito mais do que imaginamos.

 

O que os dados apontam?

A era dos anúncios invasivos e outdoors com mídias que, na maioria das vezes, não querem ser consumidas, parece estar com os dias contados.

Segundo a revista americana Entrepreneur, são cinco as principais razões para se adotar uma estratégia de marketing com influenciadores.

1 – A publicidade tradicional perdeu a força. As duas principais causas são: banner blindness (cegueira de faixa, em tradução), causada pela habilidade, consciente ou inconsciente, do consumidor ignorar propagandas e anúncios no ambiente on-line ou off-line; e o crescimento no uso de bloqueadores de propaganda, os adblocks também são um indicativo.

2 – Em 2016, 59% dos gestores de marketing já adotavam o marketing de influência como estratégia – e esse número vem crescendo cada vez mais.

3 – 92% dos consumidores acreditam mais em recomendações de outros indivíduos do que de marcas.

4 – De acordo com uma pesquisa feita pela Nielsen Catalina Solutions, o conteúdo gerado por influenciadores (Influencer-generated content, ou IGC) gera 11 vezes mais resultados do que campanhas publicitárias tradicionais. A proporção do retorno sobre o investimento (ROI) é de US$ 6,85 para cada dólar investido.

5 – Os produtos são promovidos onde seu público-alvo está mais ativo: nas mídias sociais. A maioria (74%) dos consumidores considera as informações veiculadas nas redes sociais cruciais para tomar uma decisão de compra.

O impacto do marketing de influência é tão considerável que, em 2018, 39% dos profissionais de marketing planejavam aumentar seus orçamentos, segundo um relatório da Linqia, “The Stateofinfluencer Marketing 2018”.

As principais conclusões deste relatório incluem:

🔘 86% dos profissionais de marketing usaram o marketing de influência em 2017, 92% dos quais acharam que era eficaz.

🔘 39% dos profissionais de marketing planejavam aumentar seus orçamentos de marketing de influenciadores em 2018, com apenas 5% planejando uma redução.

🔘 92% dos profissionais de marketing citavam o Instagram como a rede social mais importante para marketing de influenciadores em 2018, seguida pelo Facebook (77%). Com 71%, os blogs estão em terceiro lugar, acima dos 48% do ano anterior.

🔘 52% dos profissionais de marketing estão planejando programas que utilizam vários tipos de influenciadores (celebridades, de primeira linha, blogueiros, microinfluenciadores) como parte de uma estratégia integrada.

🔘 44% dos profissionais de marketing planejam usar o conteúdo de influenciadores para melhorar o desempenho de outros canais digitais e 36% integrarão o conteúdo de influenciadores ao comércio eletrônico para impulsionar as vendas de produtos em 2018.

 

Como funciona?

Primeiramente, é preciso estar claro qual o objetivo da estratégia e se o prazo está coerente a ele.

Se o prazo for curto, será muito difícil construir uma história e relacionamentos com os influencers e, por isso, a conta poderá sair bem mais salgada que o imaginado. Caso seu prazo seja curto para bater a meta, será necessário trabalhar com um número maior de influenciadores, e como o trabalho é complexo, precisará contar com alguma ferramenta ou agências de influenciadores para ajudar na otimização dos recursos. Além de uma agência de propaganda que entenda a estratégia do Marketing de Influência, pois como estamos lidando com pessoas, é preciso saber dos prós e contras que essa estratégia oferece.

Caso você tenha um prazo longo, poderá investir facilmente no relacionamento com influenciadores, oferecendo experiências a eles com o produto a ser trabalhado nos conteúdos. Assim, o influenciador poderá falar com mais assertividade e de forma orgânica e natural do que se trata seu produto.

 

É preciso cautela.

Mas, tenha cuidado, pois assim como existem os bons influencers, existem os nem tão bons. É preciso pesquisar e investigar muito bem quem serão os influenciadores que falarão pela marca. Muitos têm uma base de fãs gigante, mas esses seguidores são reais? São falsos? Qual a taxa de engajamento desse influencer com seu público? O influenciador irá sair do roteiro e surpreender? E se essa surpresa não for boa, e sua marca acabar sendo impactada negativamente? Essas são algumas das muitas perguntas que devemos fazer ao decidir escolher um influenciador.

Algumas marcas já experimentaram cases de fracasso por se envolverem com influencers muito polêmicos que tiveram posicionamentos que não condizem com a política da empresa, e isso gera muito transtorno, além de prejuízo financeiro e perda de identificação. Depois, para retomar uma boa visão para com os consumidores, a marca precisará fazer um grande e estratégico trabalho de gestão de crise.

Quer experimentar essa estratégia com a sua empresa? Fale com a gente. Vamos adorar trabalhar de forma mais assertiva com o seu negócio, pesquisando, contatando e conectando seu público com a sua marca.

 

Por Priscila Lopes, conteudista web 6P.

 

Referências:

https://www.comunique-se.com.br/blog/o-que-e-marketing-de-influencia/

https://www.entrepreneur.com/article/293824

https://linqia.com/insights/report-the-state-of-influencer-marketing-2018/

https://www.entrepreneur.com/article/306688

https://www.proxxima.com.br/home/proxxima/how-to/2018/09/06/marketing-de-influencia-a-relacao-entre-marcas-e-influenciadores.html

https://www.mundodomarketing.com.br/reportagens/digital/37680/2018-o-ano-do-marketing-de-influencia.html